(11) 4121-7372 / (11) 4330-1308 / (11) 93355-6566
Cirurgia de retirada de pedras nos rins – Quando é necessária?

Cirurgia de retirada de pedras nos rins – Quando é necessária?

Os cálculos renais – conhecidos popularmente como pedras nos rins – são formações endurecidas nos rins ou nas vias urinárias, resultantes do acúmulo de cristais existentes na urina. A condição, considerada um problema bastante comum, pode provocar dores abdominais súbitas e intensas, acompanhadas de náuseas e alterações no funcionamento da bexiga.

Os cálculos renais na maioria dos casos são eliminados naturalmente, ou seja, sem a necessidade de intervenção cirúrgica. No entanto, a cirurgia de retirada de pedra nos rins pode ser necessária dependendo da gravidade da situação.

Uma avaliação individualizada de uma série de fatores, é necessária, para determinar se o procedimento cirúrgico é o tratamento mais recomendado para o paciente.

Como definir a melhor opção de tratamento para o cálculo renal?

Depois de diagnosticado e confirmado a presença do cálculo renal, o paciente deve procurar a melhor opção de tratamento para o seu caso. Pois, quando não tratada, as pedras nos rins podem migrar para o ureter e causar diversas complicações, como dilatação das vias urinárias, infecção generalizada através do sangue, infecções no trato urinário, e nos casos mais severos, óbito.

Ao definir o melhor tratamento, o urologista considera determinados aspectos essenciais, dentre eles, podemos citar: o tamanho e localização das pedras, gravidade do caso, grau de dureza da pedra e antecedentes do paciente.

Quando realizar a cirurgia de retirada das pedras nos rins?

A cirurgia para retirar pedras nos rins é indicada quando os pacientes apresentam dores muito intensas que não podem ser controladas por medicamentos, infecção urinária associada a presença de cálculo, dilatação da via urinária excretora e risco de obstrução da uretra ou ureter. Além disso, a indicação do procedimento cirúrgica é recomendada para pacientes que possuem pedras com diâmetro maior que 6 mm.

Atualmente, grande parte dos procedimentos cirúrgicos são realizados por meio da cirurgia endoscópica, também conhecida como cirurgia percutânea.

A cirurgia endoscópica consiste em um procedimento em que o urologista, utiliza uma fibra óptica para chegar até o local do cálculo através dos orifícios naturais da via urinária. A fibra conduz um tipo de laser, utilizado para pulverizar o cálculo e reduzi-lo a fragmentos muito pequenos, que serão eliminados de maneira natural e indolor pelo organismo do paciente. 

A cirurgia endoscópica, por ser um procedimento considerado minimamente invasivo, apresenta riscos reduzidos e oferece uma recuperação muito mais rápida. Na grande maioria dos casos, o paciente necessita de internação hospitalar por apenas 24 horas e pode retornar às suas atividades rotineiras no dia seguinte

Como prevenir o cálculo renal?

A cirurgia para retirar o cálculo renal é apenas uma parte do tratamento para quem sofre com o problema. Como as pedras nos rins podem voltar a acometer os pacientes, é importante que ele realize a prevenção e acompanhamento da condição de maneira adequada.

Para pacientes que já sofrem com pedras nos rins, é recomendada a realização de exames de urina e sangue para analisar seu perfil metabólico e realizar correções com o uso de medicamentos, caso seja necessário.

Para evitar o surgimento de problema ou um caso reincidente, é importante:

  • Beber de 2 a 3 litros de água por dia;
  • Controlar a ingestão de alimentos ricos em proteínas animal e sódio;
  • Manter uma alimentação saudável e equilibrada.

Caso esteja sentindo dores intensas nas costas ou abdômen e sinais de sangue na urina, não se automedique, nem faça o próprio diagnóstico. Procure atendimento médico especializado, agende uma consulta com a Clínica Urodinâmica!

A Urologia atende ou cuida somente da saúde do homem?

A Urologia atende ou cuida somente da saúde do homem?

A Urologia é uma especialidade cirúrgica da medicina que trata doenças que envolvem cálculos renais, dificuldades urinárias, infecções urinárias, tumores urológicos e infertilidade. E tais patologias afetam ambos os sexos e se distribuem entre todas as faixas etárias, das crianças aos idosos.
Antigamente a Urologia era conhecida pelo tratamento de doenças venéreas, essa especialidade médica avançou enormemente nas últimas décadas. A urologia moderna transcende e divide áreas fronteiriças com outros campos da medicina.

Um fato interessante é a história do Viagra, em princípio dedicado para o tratamento da impotência sexual. No entanto, a urologia descortinou a relação entre a disfunção erétil e as doenças cardiovasculares, tais como hipertensão, colesterol etc.

Isso consolidou o conceito de que homens com impotência sexual estão sob alto risco de infarto do miocárdio, estreitando os laços, até então inexistentes, com a cardiologia.

Desde então, os urologistas estão fortemente orientados a perguntarem sobre a vida sexual de seus pacientes, com a intenção primordial de investigar a saúde cardíaca deles.

Atualmente se observa um crescente aumento na incidência de cálculos renais (pedras nos rins) no mundo, tanto em homens quanto em mulheres. As taxas passaram de 8% na década de 1980 para 15 a 21% no início do século 21. Alguns estudos relacionam esse fenômeno à variação do clima na Terra, enquanto outros apontam para as mudanças nos hábitos alimentares.

Mas o fato é: o urologista é um profissional habilitados para lidar com as pedras nos rins. Em homens e em mulheres.
A ginecologia e a obstetrícia se dedicam ao cuidado com questões ligadas ao aparelho reprodutor feminino (fertilidade, mamas, parto, útero). Mas, inegavelmente, o ginecologista é visto pela sociedade como o “médico da mulher”.

Com isso, o sexo feminino muitas vezes não se dá conta de que várias doenças do aparelho urinário são do escopo dos urologistas e não dos ginecologistas. E isso pode retardar um diagnóstico mais preciso.
A nossa clínica Urodinâmica atende homens e mulheres da região de São Bernardo do campo e ABC.

Entre em contato para uma avaliação através das nossas linhas de contato.

www.urodinamica.com.br

Dr. Victor Miyakuchi
CRM 135.681

Quem pode fazer a Vasectomia?

Quem pode fazer a Vasectomia?

A vasectomia é um método contraceptivo que consiste em fazer uma ligadura nos canais responsáveis por conduzir os espermatozoides, impedindo, assim, que cheguem até a uretra, evitando uma gravidez indesejada.

Este procedimento de esterilização masculina pode ser realizado apenas em homens acima de 25 anos ou que tenham, pelo menos, dois filhos vivos. Os pacientes têm que ter capacidade civil plena, de acordo com o previsto na Lei nº 9.263/96 de 12 de Janeiro de 1996 e se submeter à cirurgia somente 60 dias depois da manifestação de vontade.

No entanto, é importante ter claro que mesmo os pacientes aptos precisam passar antes por uma espécie de triagem: “O paciente que deseja realizar a vasectomia passa por uma etapa de conscientização e consentimento que consiste em um processo de entrevistas com profissionais de saúde, como enfermeiro, psicólogo, assistente social e o médico responsável”.

A taxa de segurança da vasectomia é de 98%, mas recomenda-se o uso de outros métodos contraceptivos, como a camisinha, durante as primeiras relações sexuais após a intervenção. Isso porque nas primeiras ejaculações depois do procedimento ainda pode haver espermatozoides armazenados na parte superior do canal.

É importante destacar que a cirurgia não interfere na atividade sexual. “Ao contrário, me deu mais tranquilidade e liberdade durante a relação, porque não tenho mais preocupação quanto à vinda de um bebê não planejado”
Para maiores informações e informações agende uma consulta!


Dr. Victor Miyakuchi
CRM 135.681
RQE 73356

Em que consiste a Cirurgia da Vasectomia?

Em que consiste a Cirurgia da Vasectomia?

A vasectomia é a cirurgia recomendada para homens que não querem mais ter filhos. Trata-se duma intervenção cirúrgica simples que é realizada por um urologista no consultório médico, esta cirurgia dura aproximadamente cerca de 20 minutos.
Na vasectomia, o médico corta, no escroto, os canais deferentes que conduzem os espermatozoides dos testículos até o pênis. Desta forma, os espermatozoides não são liberados durante a ejaculação e, por isso, o óvulo não pode ser fecundado, evitando a gravidez.

A recuperação é dolorosa?

A cirurgia de vasectomia é bastante simples, no entanto, o corte feito nos canais deferentes poderia provocar inflamação, deixando o escroto mais sensível, o que pode provocar uma sensação dolorosa ao caminhar ou sentar, nos primeiros dias.
Porém, a dor vai diminuindo ao longo do tempo, sendo possível voltar a dirigir e fazer quase todas as atividades diárias depois de 2 a 3 dias da cirurgia. Já o contato íntimo só deve ser iniciado após 1 semana para permitir a cicatrização adequada.

Será que existe risco de ficar com impotência?

O risco de ficar com impotência é muito baixo, pois a cirurgia apenas é feita nos canais deferentes que estão dentro do escroto, não afetando o pênis. No entanto, alguns homens podem sofrer com ansiedade, o que dificulta a ereção, especialmente durante as primeiras semanas, enquanto a região genital ainda está dolorida, por exemplo.

Posteriormente falaremos sobre outras dúvidas relacionadas com a Vasectomia.

Entre em contato conosco para agendamento do seu exame!
Dr. Victor Miyakuchi
CRM 135.681
RQE 73356

Como tratar os cálculos renais?

Como tratar os cálculos renais?

Tratar os cálculos renais?
Hoje falaremos dum assunto que preocupa a muitas pessoas sejam homens e mulheres, O Cálculo renal é O que é Cálculo renal?
O Cálculo renal é uma massa sólida formada por pequenos cristais, que podem ser encontrados tanto nos rins quanto em qualquer outro órgão do trato urinário. O cálculo renal é conhecido popularmente como pedras nos rins. Esta anomalia traz muita dor e desconforto afetando as atividades físicas e de rotina diária.
Existem quatro tipos de cálculos renais, sendo que um se diferencia do outro no que diz respeito à sua formação e principais características. Os tipos de pedras no rim existentes são:
• Cálculos de cálcio
• Cálculos de cistina
• Cálculos de estruvita
• Cálculos de ácido úrico

Tratamento de Cálculo renal
O tipo de tratamento a ser aplicado ao paciente vai depender do tamanho e localização da pedra e dos sintomas apresentados.
Quando as pedras são pequenas e não manifestam muitos sintomas, o paciente não precisará passar por procedimentos muito invasivos. Para essa situação, o médico poderá indicar algumas medidas que ajudam na recuperação:
Beber muita água (de dois a três litros por dia) ajuda a eliminar as pedras por meio da urina
Analgésicos para a dor provocada pelo cálculo renal também são uma opção
Porém, no caso em que as pedras são grandes e causam sintomas mais fortes ao paciente, o tratamento deve ser realizado duma forma diferente. Quando as Pedras são maiores não podem ser expelidas sozinhas, podem causar sangramentos, danos mais graves aos rins e infecções no trato urinário. Para esses casos, procedimentos mais invasivos devem ser utilizados, a exemplo de:
Litotripsia extracorpórea por ondas de choque eletro-hidráulicas. Esse tipo de tratamento consiste na criação de fortes vibrações para quebrar as pedras e facilitar a excreção
Nefrolitotomia percutânea: Consiste na retirada cirúrgica de pedras maiores por meio de um pequeno corte feito nas costas do paciente
Ureteroscopia. O médico inserirá um tubo muito fino por meio da uretra do paciente para retirar as pedras presentes no trato urinário
Cirurgia de glândulas paratireoides. Uma alteração nas glândulas paratireoides, localizada próxima à tireoide, faz com que ela aumente os níveis de cálcio no corpo, podendo causar pedras no rim. Caso haja alguma alteração nas glândulas o urologista tem que encaminhar o paciente para uma avaliação a ser realizada por um especialista em glândulas paratireoides.
Para maiores informações entre em contato conosco.

Dr. Victor Miyakuchi
CRM 135.681
RQE 73356

Cirurgia de retirada de pedras nos rins – Quando é necessária?

O que São Cálculos Renais?

O cálculo Renal é uma condição dolorosa marcada pela formação de pedrinhas que obstruem o sistema urinário. Popularmente conhecida como pedra nos rins, essa formação endurecida pode surgir nos rins e atravancar outro ponto do canal urinário.

Como o ureter, canal que transporta a urina até a bexiga, é muito estreito, a partícula acaba emperrada. Em decorrência da tentativa de expulsão, surge a dor intensa.

Os rins funcionam como dois grande filtros do sangue. Além de água para formar a urina, eles retêm diversos elementos, como cálcio, ácido úrico e oxalato.

Quando essas moléculas aparecem em grande quantidade e há pouco líquido para dissolvê-las, surgem cristais ou agregados que se avolumam e viram os cálculos.

O tamanho deles varia bastante.

Existe ainda um quarto tipo de pedra, mais raro, a estruvita. Diferentemente das outras, essa acomete principalmente mulheres. Sua origem está associada a uma infecção causada pela bactéria Proteus mirabillis, que altera o pH da urina, facilitando a agregação de partículas de magnésio, fosfato e amônia.

A formação pode chegar a 11 centímetros, ocupando todo o espaço do rim. Como é mais mole, o xixi consegue passar por ela e assim não há dor. Um perigo, porque o problema não é notado e se prolonga — e o rim pode acabar seriamente afetado.

Sinais e sintomas

  • Cólica que começa na região lombar e migra para outras áreas
  • Dor no baixo ventre
  • Sangue na urina
  • Náuseas e vômito
  • Vontade e fazer xixi a toda hora

A prevenção

A dieta é um fator preponderante no controle do problema. Para evitar a cristalização dos sais, o organismo precisa de água, portanto uma das primeiras regras é tomar bastante líquido. Uma maneira de checar se a quantidade é suficiente é atentar para a cor do xixi, que deve ser clarinho – se estiver amarelado, significa que está muito concentrado e pode propiciar a formação das pedras.

Maneirar no sal, nos embutidos (como linguiça, salsicha e salame), enlatados e macarrões instantâneos é outra medida aconselhada. Alimentos com alto teor de oxalato (espinafre, nozes, pimenta e chá preto, por exemplo) também exigem moderação, quando já existe propensão a pedras desse tipo. Pessoas com alta concentração de ácido úrico no sangue devem ainda reduzir a ingestão de cerveja, carne vermelha e frutos do mar, uma vez que eles elevam ainda mais as taxas.

Alguns especialistas recomendam ainda cuidado com os suplementos de cálcio. O mineral é importante para o organismo, mas a suplementação só pode ser feita com recomendação médica. Do contrário, a sobrecarga pode resultar no problema renal.


Para maiores informações entre em contato conosco.
Agende sua visita na clínica!

Dr. Victor Miyakuchi
CRM 135.681
RQE 73356